1001 MANEIRAS DE ALFABETIZAR PARA BAIXAR


BAIXE EM PDF - O livro ' Maneiras de Alfabetizar' ALFABETIZAÇÃO: COLEÇÕES PEDAGÓGICAS PARA BAIXAR. marlete ramos · letras · Esta apostila. A Coleção Maneiras de Alfabetizar foi criada com o intuito de apresentar uma proposta eclética de alfabetização. Para isso, foram. BAIXE EM PDF - O livro ' Maneiras de Alfabetizar' CEFAPRO - PONTES E LACERDA/MT: COLEÇÕES PEDAGÓGICAS PARA BAIXAR.

Nome: 1001 maneiras de alfabetizar para
Formato:ZIP-Arquivar
Sistemas operacionais: iOS. Android. Windows XP/7/10. MacOS.
Licença:Apenas para uso pessoal (compre mais tarde!)
Tamanho do arquivo:63.83 MB

PARA BAIXAR ALFABETIZAR 1001 MANEIRAS DE

Psicomtricidade: Recorte sem tesoura Quadrinhas e trava-línguas ilustrados. Marisa Francisca Galdeano Marra. Edilâine Batista Machado. Eu te agradeço pelo compromisso de formar tantas pessoas e te ofereço todos os meus dons. Você ensinando, aprende também. Esse auxiliar pedagógico possibilita o desenvolvimento cognitivo dos alunos com sucesso, tornando a aprendizagem mais prazerosa e significativa. Curso de Brinquedoteca. É nisso que acredito". Porto Ale-gre: Artmed, O Blog espacoprofessor. Campinas: Papirus, Modelo de calendarios. Meio Ambiente com Qualidade!

A Coleção Maneiras de Alfabetizar foi criada com o intuito de apresentar uma proposta eclética de alfabetização. Para isso, foram. BAIXE EM PDF - O livro ' Maneiras de Alfabetizar' CEFAPRO - PONTES E LACERDA/MT: COLEÇÕES PEDAGÓGICAS PARA BAIXAR. BAIXE EM PDF - O livro ' Maneiras de Alfabetizar' ALFABETIZAÇÃO: COLEÇÕES PEDAGÓGICAS PARA BAIXAR. marlete ramos · letras. A Coleção Maneiras de Alfabetizar é uma proposta eclética de alfabetização, distribuída em 5 volumes com atividades criativas e. Veja grátis o arquivo Maneiras de Alfabetizar - Volume gilles-gauthier.info enviado para a disciplina de Pedagogia Categoria: Outro -

Please enable JavaScript in your browser. Atividades com a Consoante B — Maneiras de Alfabetizar. Add to your iGoogle or Netvibes page Flickriver widget for iGoogle or Netvibes can display almost any Flickriver view — most interesting today, alfabetiaar user, by group, by tag etc.

Programas para download na categoria Livros Digitais do Baixaki. Badge creator Use Flickriver Badge Creator to create a badge linking to your photos, your group or any other Flickriver view. Atividades com a Vogal A Maneiras de Alfabetizar. Colors Exercises for Kids.

Flickriver widget for iGoogle or Netvibes can display almost any Flickriver view — most interesting today, by user, by group, by tag etc. Use Flickriver Badge Creator to create a badge linking to any Flickriver view. As mais slfabetizar edies, novas, seminovas e usadas pelo se preo. Um material riqussimo que todo educa maneiras de enriquecer, aborda um tema bastante interessante, que a Educao Espiritual e Mental que so responsveis pela riqueza em nossa vida.

Abaixo, a maneiras de alfabetizar baixar gratis Alfabetizao e Letramento, disponibilizada gratuitamente pelo Ceale, para baixar! Alfagetizar While viewing any Alfabetizqr photos page, click on the bookmarklet to open the same view on Flickriver. Caderno maneiraa atividades 1o maeniras. Enviar por email BlogThis!

Ns no toleramos o uso do site para baixar material protegido por direitos autorais sem Resultados de busca para monica ferreira maneiras de alfabetizar vol 2 no maior acervo do Brasil. Works with Firefox maneigas Internet Explorer.

Compartilhar no Twitter Compartilhar no fato tambm que as fontes ajudam os textos alfwbetizar passarem a informao de maneeiras maneira pacote de fontes para download gratuito. Faz uso de algarismos de forma coerente, escrevendo os numerais maiores que 10, corretamente. O que a aluna precisa aprender para avançar para o N2? Representa quantidades, utilizando algarismos convencionais, relacionando o numeral à quantidade adequadamente.

Nesta atividade, tem-se o todo,. A partir do , observa-se que a aluna passa a escrever , Tal conceito precisa ser trabalho para que a aluna avance. Isso vem acontecendo nas escolas municipais de Belém, conforme se pode ver nas atividades avaliativas realizadas com alunos de 6 e 7 anos.

Esta foi uma das conclusões de um estudo feito a partir das notas da Prova Brasil de Este enfoque atribui à linguagem um papel transformador, aos aprendentes um.

Neste sentido, Freire , p. Para Foucambert , p. Entre os aspectos formais do grafismo que a criança interpreta ao interagir com textos impressos, encontram-se a quantidade suficiente de letras e a variedade de caracteres. A maioria delas considera três caracteres como uma quantidade mínima para se ler. Quanto a este aspecto, tanto a escrita quanto o desenho constituem objetos simbólicos, enquanto.

O texto é considerado como se fosse uma etiqueta do desenho.

DE ALFABETIZAR PARA BAIXAR MANEIRAS 1001

Umas consideram que a escrita representa o nome do objeto e outras relacionam uma frase com a imagem. As respostas das crianças indicam que as propriedades físicas do texto sustentam as antecipações feitas por ela a partir da imagem. A criança passa a atribuir nomes a cada um dos fragmentos do texto considerando os elementos da imagem. Como se vê, a criança opera sobre bases próprias diferentes das do adulto. As hipóteses da criança sobre a atividade de leitura originam-se tanto de elaborações próprias quanto de conhecimentos socialmente transmitidos.

Apoiados em tais fundamentos, é que propomos um trabalho com o gênero encarte. Deixe que as crianças expressem suas ideias, neste momento. Deixa as crianças explorarem o encarte livremente, fazendo uma leitura holística, de maneira global.

O que se pode ler? O que informa? O que vocês escolheriam para comprar? Onde encontramos esse tipo de impresso? Deixe que os alunos expressem o que pensam, a ideia de um vai complementando a de outro. O professor a partir da fala dos alunos vai construindo explicações e formulando novas perguntas.

O que significam? Quem gostaria de ler as palavras? Solicita que escrevam no caderno as palavras que conseguiram ler. Escrita dos numerais no quadro para leitura e exercícios: ordenar do menor para o maior; depois do maior para o menor. Prossegue a aula com atividades, a partir dos objetos disponibilizados no encarte, podemos, por exemplo, solicitar que os alunos consultem o encarte para responder a questões.

Depois pede aos alunos que assinale no encarte os produtos cujo preço envolve centavos. Ana foi à referida loja com. Vai sobrar troco? Ana fosse comprar dois presentes para menina, o que ela iria comprar? Quanto sobraria de troco? Na sala de aula, a narrativa oral ocorre quando as crianças contam histórias, narram fatos do cotidiano ou reproduzem a história lida em voz alta pela professora.

Para transpor o texto oral para o escrito, elas devem ser incentivadas a ditar o texto para que a professora o escreva, na lousa, para depois realizarem a leitura. Isso porque a criança mesmo, antes de entrar na escola, costuma Para Ferreiro , p. Quando ela aprende a escrever seu nome, se observa que passa a usar as letras condizentes com as letras que formam o próprio nome. Por isso aprender a escrever o próprio nome e a memorizar algumas palavras, relacionadas às histórias conhecidas, lendo-as globalmente, ajuda as crianças a aprender a escrever, porque as palavras conhecidas servem de base para a escrita de outras palavras.

Segundo Azenha , p. Sobre isso afirma Grossi , p. O conjunto de letras associado a uma palavra tem três atributos, a saber, a quantidade, a qualidade e a ordem das letras.

As palavras ditadas aos alunos, a partir de um trabalho com a história dos Três Porquinhos, foram: palha, madeira, porquinho, tijolinho, pé vide figuras 1 e 2. Segundo Ferreiro e Teberosky , a hipótese central que embasa a atividade da criança é que, para que se possam ler coisas diferentes, isto é atribuir significado diferente aos diferentes textos, deve haver uma diferença objetiva nas escritas.

Na palavra MENINA, por exemplo, pede-se que conte pausadamente quantas vezes abre-se a boca para cada sílaba oral da palavra e, ao mesmo tempo, conta-se, através de palmas, cada sílaba verbalizada. É importante o papel do professor em criar situações desafiadoras à criança, para gerar novas hipóteses, novas descobertas. De acordo com Grossi , p. O que você achou interessante na história? Por que a menina tem essa cor? Importante fazer algumas intervenções como: pedir para que o aluno leia, apontando a palavra; questionar sobre que letra inicia ou termina a palavra.

O tesouro individual é composto de um conjunto de fichas com palavras significativas ao aluno, organizadas em um envelope ou caixa, para serem lidas e consultadas em atividades individuais, grupais ou coletivas. Pergunte: Quantas palavras têm no título? Cópia no caderno das palavras que começam com a letra M.

Conversa sobre o que sabem sobre o continente africano. Cada um lê uma frase até o texto terminar. O que a criança sabe? Neste nível, a criança adquire a estabilidade das palavras, ou seja, compreende que cada palavra é escrita sempre com as mesmas letras, disposta numa determinada ordem. A criança trabalha com a hipótese de que a escrita representa partes sonoras da fala. Uma letra para cada sílaba oral na palavra ou uma letra para cada palavra na frase. Assim, ela utiliza tantas letras quantas forem às sílabas da palavra.

A criança também descobre que tudo que se diz se escreve inclusive preposições, verbos, pronomes, etc. Na figura acima, percebe-se que o aluno utiliza uma letra para cada sílaba tanto na escrita da palavra quanto da frase, confirmando o que os estudos revelam. Isso ocorreu tanto na escrita de palavra quanto da frase. No exemplo analisado, o aluno demonstra estabilidade quanto à quantidade de letras na palavra para representar as sílabas que emite sonoramente, porque para trapezista foram usadas quatro letras, em toucinho e panelas foram três, em peixe foram duas letras e para ar apenas uma.

Em outro momento do processo ao se deparar com a incompletude de letras em sua escrita, o aluno ainda nesta fase, passa a acrescentar letras aleatoriamente.

Na figura 1, pode-se ver que a criança deu valor sonoro a cada uma das letras de sua escrita, ainda que convencionalmente apenas nas vogais. O que o aluno precisa aprender? O que o professor precisa fazer? Trabalho com texto No trabalho com textos é importante realizar leitura de textos memorizados letras. Os nomes de pessoas, animais ou coisas de que a criança mais gosta podem e devem constar de seu tesouro.

As atividades propostas devem levar o aluno a pensar sobre como se escreve para que ele aprenda sobre o sistema alfabético da língua escrita. Quem costuma brincar de roda? Onde e com quem brincam? Qual a cantiga que gostam mais? Fazer a leitura somente da primeira sílaba destas palavras. Elas montam as palavras com alfabeto móvel, lêem e registram as palavras no seu caderno. Cada criança tira uma ficha com um nome de um colega - a professora verifica.

Após todas as crianças pegarem suas fichas, a professora pede às crianças - uma de cada vez mostre o nome para que todos leiam em voz alta, descobrindo qual é o nome.

+ de 20.000 Atividades Pedagógica

O dono deve ficar calado, nesse momento. Cada criança pega a ficha do seu nome e coloca no envelope que tem a letra inicial correspondente ao seu nome. Fazer a contagem de nomes em cada envelope, pegando o numeral correspondente e registra no quadro.

Reunir as com três letras, as palavras com 4 letras, com 5 letras, com 6 letras Ao referir-se sobre essa hipótese, Azenha , p.

Agora, a criança passa a se dar conta em alguns momentos da insuficiência das letras na palavra que escreveu, buscando suprir este conflito acrescentando letras com correspondência sonora ou de maneira aleatória. Segundo Ferreiro , p. MAS , a aluna 6 anos utilizou parcialmente as letras que compõem as sílabas das referidas palavras, ora com ausência de letras, ora com troca de letras. Por isso, o professor deve reconhecer a hipótese da criança para planejar atividades que desafiem a aprendizagem da escrita pelo aluno.

Enfim, o professor deve constantemente oportunizar situações de aprendizagem em que os alunos tenham possibilidades de refletir sobre sua maneira de escrever. Por que trabalhar com poema? De acordo com José , p. Damasco, fruta —do — conde, Framboesa Uva, uvaia e ubipitanga.

Em seguida,. Isso exige dos professores novas atitudes em sala de aula para que as crianças desenvolvam de forma coerente sua escrita. Por conta disso, a criança procura fazer relações do som de cada sílaba para posteriormente expressar por meio da escrita determinada palavra.

Ao analisar a escrita na figura 1, observamos que a criança possui escrita alfabética, pois compreendemos perfeitamente as palavras. Por que isso ainda acontece? O escrito presente na figura 4 revela um aspecto interessante. Uma boa pista é retomar a ideia inicial que motiva este texto. O texto é o suporte do funcionamento da língua?

A hipótese da criança de escrever como fala, por exemplo, é uma das estratégias dos alfabetizandos. O desenvolvimento de uma competência para língua escrita é um fenômeno de natureza complexa como afirma Smith , p. Grossi , p. Cecília Meireles. Na atividade 1 visa-se a escrita de sílabas, palavras e principalmente o entendimento do texto.

Para que sejam sedimentadas as informações sobre o gênero poema e a leitura de palavras podemos utilizar o encaixe como na atividade 4. Temos muito que aprender com a experiência da professora, por isso buscou-se colocar em evidência as atividades que ela elegeu como mais relevantes para o sucesso das aprendizagens das crianças. Especialista em Língua Portuguesa: uma abordagem textual. O primeiro se caracteriza pela ideia concebida pela criança de que se escreve com desenhos. Ela é realizada, normalmente, pelos próprios professores da turma.

Conhecer a grafia do seu nome pode ajudar a criança a compreender uma das características essenciais da escrita, que é a estabilidade de sequência, ou seja, que uma determinada palavra vai ser escrita sempre na mesma ordem. Eu ditava a palavra e dizia, vamos contar quantos pedaços têm essa palavra? Eu dizia vamos ver, três círculos, o primeiro pedacinho qual é? Daí, eles iam compondo as sílabas. Agora, antes disso, também eu ia de mesa em mesa saber qual a hipótese de cada um Eu escrevia a hipótese delas e mandava elas lerem ou eu lia como elas escreviam, sempre fazia isso.

Além da total disponibilidade da professora em trocar experiências com seus pares, desafiando-se sempre a aprender com as propostas apresentadas nos assessoramentos. O trabalho com texto Antes de iniciar as atividades escritas sobre o texto, realizamos um trabalho oral exploratório para que a criança perceba as especificidades desse tipo de texto: Leitura em voz alta professor e aluno ; para que serve esse texto?

O crescimento gradativo e constante nas aprendizagens da turma C, foi semelhante a C Essa é a história de uma professora que alfabetizou a todos.

BAIXE EM PDF – O livro ‘1001 Maneiras de Alfabetizar’

Que ela se repita muitas vezes em nossas turmas, em nossas escolas, porque todas as crianças podem aprender. Obrigada, Amarilze, por nos fazer acreditar nisso! Todo aluno tem direito a aprender. É fundamental compreendermos o sentido dessas três características.

Entender o participativo inferimos que seja o mais difícil dos aspectos que devem ser trabalhados por quem deveria educar. Lembram da história da onça e do gato? Seria bom lembrar e perceber como nós mesmos fomos construídos com esses valores, pouco participativos, que nos levam sempre querer guardar na manga alguma carta. Mas, cada. O que quer dizer isso? A vida é contínua. Primeiro, ela aprende a sentar, nós a apoiamos, seguramos nos primeiros meses para que ela possa se firmar, firmar a coluna, conseguir ficar só, sentada em uma cama, cadeiras, etc.

Depois a Colocamo-nos perto, esperando que ela saia dali e dê os primeiros passos. Nem aquela que toda vez que tenta dar os primeiros passos cai, fica ali sentada e espera outra oportunidade para se levantar. Da mesma forma que trabalhamos a motricidade, trabalhamos a linguagem.

BAIXE EM PDF - O livro ' Maneiras de Alfabetizar' — SÓ ESCOLA

E, de forma menos sistematizada, ainda, trabalhamos a afetividade. É claro que o exercício vai fazer a capacidade de pensar de forma abstrata ser aperfeiçoada. Nelas as pessoas se abrigam e os moleques sobem para saciar a fome. Revista Em Tese, Belo Horizonte, v. Destaque o título, identifique o autor, que é paraense. Discuta as diferentes maneiras de se usar a mesma palavra para fazer referência a coisas distintas. Escreva no quadro os significados da palavra manga.

Leia com os alunos. Quantas sílabas? Qual a letra inicial? Qual a letra final? Faça uma lista no caderno. Monte uma lista no quadro.

Trabalhe com o alfabeto móvel para montar as palavras da lista. Enfatize as frutas regionais. Jogo: Dominó de sílabas iniciais das frutas. Solicite que os alunos contem quantas vezes aparece a palavra manga no texto. Quantas linhas têm o texto? Quantas letras? Faça referência ao nome do autor.

Destaque a necessidade de lavar bem os alimentos e também a necessidade de escovar os dentes e passar fio dental após as refeições. Lembre que ao comermos manga nossos dentes ficam com fiapos. Incentive-os a escreverem no caderno o resultado da pesquisa. Kamenetz, Schneider, Finkel, ; vii a crítica azeda e neoliberal contra a escola americana em programas oficiais, em especial no A Nation at Risk e no Child Left Behind Au, Au, Vou centrar-me em dois pontos: i questionar a escola como hoje é posta, a casa do instrucionismo; ii apesar das críticas, indicar que a escola ainda tem seu lugar, embora extremamente transformado.

Os abusos fazem parte, lamentavelmente, porque o preço da liberdade é seu abuso. Postulava que as pessoas deveriam receber a confiança de que sabem decidir sozinhas e como preferem aprender. Ocorre que, em sociedade, a liberdade de cada qual precisa levar em conta a liberdade de outrem, num jogo aberto de direitos facilmente conflitantes e que precisam conviver.

Saem do quarto para jantar, retornando em seguida — antigamente ficar no quarto era uma forma de castigo; hoje é tudo que essas crianças querem.

Material Para Atividades Pedagogicas Todos Niveis

O mercado Bom demais para ser verdade! No século XIX usavam-se serviços postais basicamente para interagir com os estudantes à distância. Demo, , usando intensivamente plataformas digitais tipo moodle e outras da web 2. Ademais, é preciso reconhecer que muitas propostas permanecem no adorno de ofertas tradicionalistas, por exemplo, realçando a aula com efeitos digitais especiais.

Alguns autores contestam mais frontalmente, como Schneider , que, apelando para as oportunidades digitais exagera nisso claramente , acha aulas um desperdício, para dizer o mínimo. Outros contestam a Concretamente, aula é web 1. Andriessen et alii, , postulando que aprender implica argumentar e que plataformas autorais da web devem ser usadas intensivamente para este tipo de exercício.

Zhao, Facilmente os estudantes notam que a escola existe, entre outras coisas, para os enquadrar nas expectativas dos adultos. Naturalmente, muitas escolas procuram fugir desse figurino, oferecendo aos estudantes ambientes mais arejados, interativos, parceiros. Parece um prédio em ruínas Hoje esta perspectiva é a central, de longe. Se o aluno aprende, é acidente ou deveria decorrer automaticamente. Este é o grande problema: os estudantes aprendem muito mal na escola.

Dados indicam que aumentar dias de aula é contraproducente, porque, aumentando o que é ruim, facilmente torna-se ainda pior. Lembre-se que a maior queda histórica conhecida do desempenho escolar chegou depois do aumento dos dias letivos na LDB de , em Precisamos, isto sim, de aprendizagem. Conhecimento rebelde é a energia maior. Mas esta referência sequer é a mais decisiva. Simbolicamente falando, a escola é a casa do conhecimento e da aprendizagem.

Cada vez mais se espera que o estudante receba tratamento individualizado, fazendo parte isso do papel orientador de cada professor.

MANEIRAS DE BAIXAR 1001 ALFABETIZAR PARA

Hoje, em parte, acaba sendo um estigma, quando se É preciso oferecer muito mais. O que os estudantes aproveitam de seus custos elevados, é uma ninharia. Muito tempo perdido. Outras letras, outros sons. Acesso em: 07 nov. New York: Houghton Mifflin Harcourt, Arguing to Learn: Confronting cognitions in computer-supported collaborative learning environments.

London: Kluwer Academic Publishers, ARUM, R. Academically Adrift: Limited learning on college campuses. Chicago: The University of Chicago Press, Petrópolis: Vozes, AU, W. Unequal by Design: High-stakes testing and the standardization of inequality.

London: Routledge, Quando dizer é fazer. Porto Alegre: Artes Médicas, Construtivismo: De Piaget a Emilia Ferreiro. BAIN, K. What the Best College Teachers Do. Harvard University Press, Os gêneros do discurso. Marxismo e Filosofia da Linguagem. Problem-based Learning:An inquiry approach. Thousand Oaks: Corwin Press, New York: Crown Business, San Francisco: Jossey-Bass, BLUM, S. My Word! Plagiarism and college culture. Cornell University Press, Rio de Janeiro: Francisco Alves, Critical Inquiry.

Colorado: Westview Press, Acesso em: 09 jan. Acesso em: 15 out. Lei n. New York: W. CARR, N. The Shallows: What the internet is doing to our brains.

Ler e escrever: entrando no mundo da escrita. Porto Alegre: Artmed, Ensinar a ler, ensinar a compreender. Acesso em: 16 fev. Socratic Circles: Fostering critical and creative thinking in middle and high school. Portland: Stennhouse Publishers, London: Jossey-Bass, London: Teachers College Press, Reading in the Brain. New York: Viking Adult, DEMO, P.

Brasília: Ibict, a. In: Sinais Sociais Brasília: LiberLivro, b. Saber Pensar é Questionar. Brasília: LiberLivro, a. Ser professor é cuidar que o aluno aprenda. London: Penguin, A University for the 21st Century. Incognito: The secret lives of the brain.

New York: Pantheon Books, Reading the Web: Strategies for internet inquiry. London: The Guilford Press, Bait and Switch: The futile pursuit of the American dream. New York: An Owl Book, Bright-Sided: How the relentless promotion of positive thinking has undermined America. New York: Metropolitan Books, American Educational Research Journal, 46, p. ERTL, B. E-Collaborative Knowledge Construction: Learning from computer-supported and virtual environments.

A estrutura frasal na LSCB. Recife: Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, Psicogênese da Língua Escrita. Rio de Janeiro: Paz e Terra, Os processos de leitura e escrita: novas perspectivas. Teaching with your Mouth shut. Portsmouth: Heineman, Scientific Inquiry and Nature of Science: Implication for teaching, learning, and teacher education. New York: Springer, Wahrheit ist die Erfindung eines Lügners: Gespräche für Skeptiker.

Berlin: Carl-Auer-Systeme. Estudos sobre numeramento: conceitos e indagações. In: 8 Congresso de Leitura do Brasil. Campinas: ALB, Vigiar e punir: História da violência nas prisões.

Pedagogia da esperança: um reencontro com a Pedagogia do oprimido. The Game of School. New York: Jossey-Bass, Rio de Janeiro: Objetiva, Researching the community of inquiry framework: Review, issues, and future directions. Language and Learning in the Digital Age. GEE, J. The MIT Press, Do Gozo da ignorância Ao Prazer de Aprender.

Caderno de atividades: Cantigas de rodas, parlendas e orações. Porto Alegre, Ensino de Língua Portuguesa: oralidade, escrita e leitura. Acesso em: 20 set.

Everyday Practice of Science: Where intuition and passion meet objectivity and logic. Oxford: Oxford University Press, Construtivismo Pós-Piagetiano: Um novo paradigma sobre aprendizagem.

Porto Alegre: Sulina, Truth and Justification. Cambridge: MIT Press, Pinhais: Melo, Sustainable literacies and the ecology of lifelong learning.

ALFABETIZAR BAIXAR PARA MANEIRAS 1001 DE

Supporting lifelong learning. London: Routledge; Open University Press, Language and Communicative Practicies. Boulder: Westview Press, What is Constructionism: navigating it use in sociology. Boulder: Lynne Rienner Pub, Empire of Illusion: The end of literacy and the triumph of spectacle.

New York: Nations Books, Avaliar: respeitar primeiro, educar depois. Avaliar para promover: as setas do caminho. HOLT, J. Cambridge: Da Capo Press, Teaching Critical Thinking: Practical wisdom. Acesso em: 21 dez. Deschooling Society. New York: Harper Collins Publishers, Perspectivas da Política Social no Brasil.

Brasília: IPEA, Livro 8. ITO, M. Formando crianças produtoras de texto. Porto Alegre: Artmed, a. Formando crianças leitoras. Porto Alegre: Artmed, b. JOSÉ, Elias. A poesia pede passagem: um guia para levar a poesia às escolas. DIY U - Edupunks, edupreneurs, and the coming transformation of higher education. White River: Chelsea Green Publishing, Campinas: Papirus, In: Thomas, M. Deconstructing Digital Natives: Young people, technology and the new literacies.

London: Routledge, , p. Teachers as Researchers: Qualitative inquiry as a path to empowerment. New York: Falmer, KIRP, D. Shakespeare, Einstein, and the Bottom Line: The marketing of higher education. Massachusetts: Harvard University Press, DIY Media - Creating, sharing and learning with new technologies.

Oxford: Peter Lang, KOCH, I. A coerência textual. How We Decide. Boston: Mariner Books, LESH, R. Beyond Constructivism. London: Lawrence Erlbaum Ass. Foundations for the Future in Mathematics Education. London: Lawrence Erlbaum Associates, Publishers,